Temos 4 visitantes e Nenhum membro online

Notícias

Nosso próximo Seminário Mineiro Pietro Ubaldi será no dia 24 de fevereiro de 2024. Clique no cartaz ao lado para mais informações.  

Nossos cursos continuam temporariamente suspensos em 2024 - aguarde notícias em CURSOS.

Temos novos artigos: Carta Aberta em Defesa de A Grande Síntese. "Medicina da Queda", artigo de Gilson Freire. E a mensagem de despedida dos brasileiros, proferida por Ubaldi em São Paulo, 1951.

Imprimir

NOSSA OFERTA SIMBÓLICA AO BRASIL E AOS POVOS DA AMERICA LATINA

Brasília, março de 1966

Queridos amigos,

Contar-lhes-ei uma estranha história. Há trinta e cinco anos, um homem, chegado à metade de sua vida, sem preparação alguma e sem plano de trabalho, começou a escrever obedecendo a um impulso interior. Desde o Natal de 1931, ele nunca mais parou. Sem conhecer quais seriam os futuros desenvolvimentos do seu labor, ele o foi executando dia após dia.

Hoje, aquele trabalho encontra-se quase terminado e está visível na sua estrutura orgânica, no seu desenvolvimento lógico, na sua harmônica arquitetura. Trata-se de uma Obra de 24 volumes e com cerca de 10.000 páginas. Ela explica a origem, a estrutura e o funcionamento orgânico de nosso universo físico-dinâmico-psíquico, a nossa posição dentro dele e o significado e finalidade de nossa vida, para chegar, no fim, a conclusões práticas, mostrando qual deve ser a nossa conduta, se não quisermos pagar, com sofri­mento, os nossos erros.

A finalidade desta Obra é oferecer um conhecimento que o mundo ainda não possui, necessário para se conduzir com sabedo­ria e, portanto, viver de forma menos bárbara do que aquela em que vive o assim chamado homem civilizado moderno. Nesse senti­do esta Obra contém as bases sobre as quais se poderia apoiar uma nova civilização, aquela que, por lei de evolução, o homem deverá seguramente realizar no 3º milênio. Trata-se de viver melhor, o que só é possível usando maior inteligência e bondade. A finalida­de maior da Obra é fazer o bem, mostrando como se pode viver uma forma de existência menos feroz, mais civilizada e, portanto, mais feliz

O primeiro ato do drama se encerra. Desce a cortina, e o autor, satisfeito, desapa­rece na sombra. Ele só deseja ser esquecido ao término deste labor. O que tem valor e utilidade é a Obra e não o operário. Neste momento, ele pede uma graça: que lhe sejam poupadas exaltações pessoais, honras inúteis, porque elas pertencem somente à Obra; pede que o deixem retirar-se em silêncio da cena do mundo, para se pre­parar a viver o novo tipo de existência que, em breve, o espera no além-túmulo.

A Obra permanece, é o que mais interessa. Ela não é um produto morto, de literatura, mas uma semente viva que agora cai no terreno do mundo para germinar. A vida a gerou para que ela viva. As ideias da Obra foram formuladas para serem transfor­madas em fatos.

A nossa Obra ensina a viver outro tipo de vida, baseando­-se sobre princípios de um nível biológico mais evoluído para levar o homem ao maior grau de adiantamento, que será a nova civilização do terceiro milênio. Pela lógica do processo evolutivo, é fatal que se deve chegar até lá. O problema é prático, utilitário. Trata-se de ter suficiente inteligência, para compreender a vantagem de viver, organicamente, em ordem, em vez de luta e caos; viver com compreensão e coordenação de esforços, em lugar de rivalidade e separatismo egoísta. Estas são as conclusões da Obra, nela estão demonstradas as suas razões profundas, oferecendo soluções até à origem de nosso universo. Evidencia-se claramente, sem se exigi­rem atos de fé, o porquê de nossa existência, quais as leis que a regem e como a dor surge pelo fato de não se obedecer a elas. Explica-se como funciona o imenso organismo do todo dentro do qual estamos situados e com o qual nos devemos coordenar, se não quisermos sofrer. Cada erro é como uma doença nesse organismo, uma enfermidade que causa sofrimento e que percebemos, porque a dor atinge cada célula doente daquele organismo.

Alcançamos, assim, uma moral racional, positiva, demons­trada e por isso mesmo não suscetível de hipocrisia; moral que não é produto fideístico de um ou outro grupo político ou religioso em seu interesse; pelo contrário, trata-se de uma ética universal, não ligada a interesses, verdadeira em todo tempo e lugar, sem escapa­tórias, como são as verdades científicas.

Eis o conteúdo e a finalidade da Obra que hoje, neste lo­cal, oferecemos. Uma vez que nos explica como funciona a vida, ela não pode deixar de ser, como a ciência, imparcial e universal. O seu objetivo não é constituir um grupo e com ele lutar contra ou­tros para vencê-los, como é hábito em nosso mundo. O seu método não é impor para dominar, produzindo rivalidade e cisão,mas de­monstrar para convencer, gerando concórdia e unificação. E por isso que a Obra, hoje, não está sendo oferecida a um grupo particular. Ela não pode ficar fechada em nenhuma divisão humana, em nenhum setor particular ou partido, seja político, seja religioso, co­mo não o podem as leis da vida e as verdades universais da ciência. Isto não significa querer colocarmo-nos acima dos grupos humanos, em nome de Deus, como fizeram algumas religiões. Apenas estamos fora deles.

É tão somente um pensamento que, expressando verdade, quer ofere­cer conhecimento e estado de consciência necessários para urna vida mais elevada e, portanto, com menor sofrimento.

O homem só entende a unificação como um agrupamento contra alguém. A isto, muitas vezes, se re­duzem as religiões. Por unificação, porém, entendemos urna ade­são à Lei de Deus, saindo de todos os agrupamentos humanos que acabam por dividirem-se. O homem que usa as coisas espirituais com método sectarista, separatista e agressivo contra o próximo re­vela a sua involução. O evoluído, para não entrar em luta, afasta­-se dele em silêncio, respeitando-lhe a ignorância.

O que mais interessará ao involuído de amanhã, será, ao contrário, a unificação e a colaboração. E esta vai ser a maior revolução do novo milênio. É para ela que a Obra nos vai preparando. Assim, desde agora, quem a compreendeu, começa a praticar este novo método de viver, que não é uma egocêntrica von­tade de sobrepor-se aos outros, mas, sim, de entendê-los para coope­rar.

Com esta Obra nos projetamos no futuro. Ela foi escrita para as gerações que chegarão e às quais os senhores a confiarão a fim de que possam vivê-la. Os senhores têm — e elas também te­rão — uma missão: a da realização. Lembrem-se, porém, que uma missão não existe somente para ser proclamada, como se costuma fazer, mas para ser cumprida. O nosso trabalho não é de palavras, mas de obras. Agora a oferta está feita. Como foi com trabalho que se realizou a primeira fase, agora terminada, assim será com ele que se poderá realizar a segunda, ainda a fazer. Trata-se de cons­truirmos a nós próprios. O edifício a levantar é interior.

Trata-se de uma oferta e não de uma or­dem, não uma imposição a constrangê-la. É uma ajuda, uma ori­entação, um convite para evoluir.

A vida, nesta hora, deseja con­vencer quem tem capacidade de compreender, mostrando o cami­nho aos homens de boa vontade. Para quem não quiser entender há outros meios mais persuasivos: a imensa destruição pela guerra. Isto não é novidade na história da evolução. A dor foi sempre o meio clássico com o qual a vida se faz presente àqueles que nãoquerem compreender outra linguagem. Só assim, para o seu bem, ela consegue fazê-los evoluir.

O de­senvolvimento da ciência está pronto para fornecer ao homem o bem-estar ma­terial. Falta-lhe, para completar e equilibrar, um paralelo desenvol­vimento moral e espiritual que o dirija para o bem e não para o mal, que pode ser uma ruína para todos. Se o homem não chegar a possuir estas outras qualidades, o programa material por si só po­derá levar a um desastre.

Ora, esta ideia não é somente, como acima explicamos, uma verdade válida para todos, porque racionalmente positiva, biologicamente evolucionista, cientificamente universal. Ela é também cristã. E o é no mais profundo sentido unitário e substancial, por­quanto nela podem, juntos, encontrar-se Catolicismo, Protestantis­mo, Espiritismo e espiritualismos afins de fundo cristão, uma ideia para a qual já se encaminham as filosofias e religiões de tipo cris­tão no seu presente trabalho de atualização.

A com­posição da Obra foi em grande parte trabalho de parapsicologia, tive de me impor, por isso, uma disciplina mental que cumprisse um contínuo e rígido controle; e aconselho a fazer o mesmo os que trabalhem neste terreno, fácil de se perder em fantasias e aceitar por verdades aquilo que é pro­duto do subconsciente. É certo, no entanto, que, se tivesse de fazer uma confissão, deveria dizer que fiquei maravilhado em constatar não somente na composição da Obra, como também nos fatos que determinaram sua difusão até aqui, a presença de uma inteligência diretriz e de uma vontade realizadora; sem ela tudo o que foi alcan­çado até hoje, até este ponto culminante em Brasília, não poderia ter sido realizado.

Cumpre-se por fim o que foi dito no Cap. V do volume Profecias, a respeito da “Função Histórica do Brasil no Mundo”. Quando escrevi aquelas páginas, ainda não existia Brasília, e elas nos explicam por que hoje estamos aqui realizando esta oferta da Obra. É com o livro Profecias que a Obra inicia a sua segunda parte escrita no Brasil, por isso, chamada brasileira,em homenagem a este país. Há uma convergência de tantos fatos para este momen­to que agora vivemos! Ele encerra um caminho e inicia outro. Um pobre homem chegou de longe, do centro da civilização cristã, ve­lho e esgotado, e entrega hoje o fruto de sua vida a um mundo jo­vem, imenso, ao qual pertence o futuro. Esta semente levada pelo vento de mil aventuras chegou até aqui e parou neste lugar, nesta terra virgem, no centro de um novo continente. Mil acontecimen­tos milagrosamente concordaram para chegar a este resultado. O acaso não poderia tê-lo produzido. Não se pode deixar de ver em tudo isso a mão de Deus, nos explicam por que hoje estamos aqui realizando esta oferta da Obra. É evidente Sua vontade que esta semen­te cresça e se desenvolva para a afirmação espiritual desta nova grande Terra, para que ela no terceiro milênio cumpra a sua mis­são no mundo, conforme o seu destino, que não é de guerra, mas, um destino evangélico de bondade, de amor e de paz.

Pietro Ubaldi

TOP